Juiz que marcou pênalti contra o Cruzeiro chora. Ainda não voltou para casa. Com medo de morrer.

Igor Benevenuto marcou pênalti para o Atlético, ontem no Mineirão. Ele recebeu ameaças de morte não só pelas redes sociais. Pessoas em carros gritaram em frente à sua casa que ele morreria.

Os jogadores do Atlético e do Cruzeiro fizeram questão de aceitar a sugestão da Federação Mineira de Futebol. E entraram em campo juntos, com uma bandeira da Ucrânia, pedindo paz. 

O gesto ia muito além da guerra entre a Rússia e Ucrânia. Infelizmente se encaixava na morte do cruzeirense Rodrigo Marlon Caetano, de apenas 25 anos. Ele foi atingido por um tiro no abdômen em uma briga entre as organizadas cruzeirenses e atleticanas, combinada pela Internet, horas antes do clássico, em Belo Horizonte.

Aos 40 minutos do segundo tempo, Lucas Oliveira dá um carrinho na área em direção à bola, mas sua perna direita toca a do atacante atleticano, que conseguiu antecipar o lance. 

O juiz Igor Benevenuto marcou o pênalti. Hulk foi para a cobrança e Empatou o jogo. O lance desconcentrou o time do uruguaio Paulo Pezzolano. A ponto de Ademir virar o jogo.

Vitória atleticana por 2 a 1, aos 52 minutos do segundo tempo. A direção do Cruzeiro ficou revoltada.

A começar pelo dono do clube, Ronaldo Fenômeno.

“Infelizmente a arbitragem interferiu mais uma vez diretamente no resultado. Seguimos contra tudo e contra todos querendo um campeonato melhor e mais justo.”

O treinador do Cruzeiro, não deixou por menos, ao final da partida.

“Ao término do jogo o Sr. Paulo Cesar Pezzolano Suarez, da equipe do Cruzeiro Esporte Clube, subiu o túnel dos vestiários e adentrou as limitações do campo de jogo gritando:

‘Árbitro ladrão, vocês são todos ladrões, olha o que vocês fizeram, quero falar com o árbitro, esse ladrão!’

O Sr. Paulo foi contido pelos seguranças do clube, que o levaram de volta para o vestiário de sua equipe.”

O relato é do árbitro Igor Benevenuto.

De nada adiantou a postura da Comissão de Arbitragem da Federação Mineira.

O presidente Juliano Lopes Lobato ficou ao lado de Benevenuto.

“O atleta do Cruzeiro dá um carrinho na área, de forma imprudente, acertando o atleta do Atlético. E dentro da área, é pênalti.”

Comentários em “Juiz que marcou pênalti contra o Cruzeiro chora. Ainda não voltou para casa. Com medo de morrer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.